quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

DOIS TIMES, DUAS IDEOLOGIAS: FUTEBOL EM TEMPOS DE GUERRA FRIA. (Parte 2)

Hungria x Inglaterra: a vitória do 4-2-4 “socialista” sobre o WM “capitalista”.

Naquele 25 de novembro d 1953, a partida entre Inglaterra e Hungria em Wembley marcaria a história do futebol e do mundo não só por seu caráter político como também pelas inovações táticas do time de Puskas. Seria um jogo normal se não estivesse inserido no contexto da Guerra Fria. Opondo uma nação socialista (Hungria) e outra capitalista (Inglaterra) o confronto tornou-se importante propaganda para as duas ideologias e a vitória representaria a superioridade de um regime em relação ao outro. O campo de futebol tronara-se “área de influência” a ser conquistada.

No plano tático a influência da Guerra Fria era mais visível. O esquema 4-2-4 húngaro criado por Marton Bukovi, técnico do MTK, e aperfeiçoado por Gustav Sebes, técnico da seleção, mostrou-se mais eficiente do que o rígido WM (ou 3-2-2-3) inglês, sistematizado por Herbert Chapman no Arsenal e que funcionara muito bem na década de 1930.

Do ponto de vista defensivo, à marcação individual do WM “capitalista”, o 4-2-4 socialista opunha a marcação por zona, portanto a solidariedade dos jogadores trabalhando coletivamente, mais pelo bem comum do que pelo destaque pessoal, “burguês”. Conceito de zona criado, aliás, por estrategistas da geopolítica soviética.

Do ponto de vista ofensivo, a eficiência do 4-2-4 foi marcada pela mobilidade dos jogadores, como lembraria Puskas mais tarde: “Jogávamos muito sem a bola”. À imagem e semelhança dos agentes soviéticos que, infiltrados nos países ocidentais tentavam insuflar greves e revoltas que enfraquecessem o capitalismo. “Quando atacávamos, todos atacavam, na defesa acontecia a mesma coisa”, definiu Puskas o esquema tático húngaro que correspondia perfeitamente a atmosfera política da época.

Diante de 100 mil pessoas bastaram cinco toques e apenas cinqüenta minutos para a Hungria abrir o placar. Com meia hora venciam por 4 a 1. O resultado final foi uma goleada de 6 a 3 conquistada pelos húngaros sobre os anfitriões, que não perdiam em casa havia noventa anos. Logo, em tempos de Guerra Fria podemos dizer que, desse jogo, quem se sagrou vitorioso foi o socialismo.

7 comentários:

  1. Esse período da Guerra Fria era engraçado. Os socialistas e capitalistas disputavam até porrinha pra ver qual regime era mais eficiente. Gostei muito de como você comparou o jogo com a situação daquela épica.
    E que resultado surpreendente! Um baita tapa na cara dos ingleses!

    ResponderExcluir
  2. Gostei da perspectiva, me lembrei de Rocky IV hehe

    ResponderExcluir
  3. nossa! olha, vou te falar que não sou uma grande fã de futebol...sou daquelas torcedoras só de copa do mundo, sabe? mas gostei muito desse seu post...assim, toda essa história de guerra fria é, pra mim, muito interessante..e por não existir um conflito armado direto...a gente acompanha essas "pequenas" guerras em outras áreas...teve mesmo muito disso no esporte..acho que as partidas nunca foram tão competitivas!
    beijos!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Opa!
    Matéria bacaníssima, Lara.
    Esse episódio da Guerra Fria acontecendo no futebol europeu, teve a sua repercursão no Brasil, pois no ano de 1957, o time de Puskas veio ao país e jogou contra Flamengo e Botafogo, além de jogos em São Paulo. O Honved, time de Puskas, estava em uma excursão para um torneio internacional enquanto a Hungria tentou se livrar do jugo soviético, porém sem sucesso, devido aos tanques do Pacto de Varsóvia. Por isso, os jogadores decidiram não voltar para o seu país, em uma espécie de auto-exilio. Com isso, o Honved viajou para vários países para fazer amistosos, dentre eles, o Brasil. Puskas deixou oito gols aqui em terras brasileiras e dos cinco jogos que disputou, ganhou três e perdeu dois!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada André!
    Aliás, Honved significa "defensores da pátria" e quando esteve no Brasil o Flamengo até tentou contratar o goleiro Gyula Grosics, o Pantera Negra, mas ele não quis. E o Mengão venceu o jogo por 6 a 4.
    Estou pesquisando mais sobre esse tema, quem sabe em breve escreverei mais posts.

    Obrigada a tds q comentam aqui! Espero q estejam se divertindo!

    ResponderExcluir
  7. Mas do que adiantou vencer se um ano depois a mesma Hungria ia tomar uma virada historia da Alemanha Ocidental em Berna?

    ResponderExcluir

Posicione-se!!